Viagem para Argentina de Carro - Terceiro dia

De Jaguariaíva-PR a Pitanga-PR

Acordamos e fomos tomar café

Mesa de café da manhã do hotel

Antes de irmos, conversamos com o Sr. Ferreira que nos deu algumas informações sobre os atrativos turísticos da cidade.

O carro na pracinha da parte alta da cidade

Visitamos a selaria Medeiros...

Produtos de couro da Selaria Medeiros

...especializada em produtos em couro.

Cintos de couro da Selaria Medeiros

Selas e bancos da Selaria Medeiros

Ela feliz com a bota de presente na mão

Fomos também ao centro da Cidade e visitamos a praça principal

Pracinha do centro da cidade

Na rodovia, ainda no perímetro da cidade avistamos uma queda d´agua.

Cachoeira perto do centro da cidade

Paramos o carro, seguimos até o mirante para apreciar a vista.

Ela andando no mirante da cachoeira

Eles no mirante

Ele perto da queda da cachoeira

O Som da cachoeira era muito forte

Ela perto da corredeira

Do mirante, observamos também que haviam vários quiosques e um bar em um deck.

Caminhos e churrasqueiras do parque

Depois, desse passeio no parque, almoçamos e fomos rumo ao Guaterlá

Formacoes rochosas parecidas com canion

Seguimos algumas placas...

Placa para o Parque Estadual Guartelá

Uma ótima estrada...

Formações rochosas ao lado da estrada

Chegamos na estrada que dá o acesso ao parque.

Ponto de onibus na entrada do Parque Estadual do Guartelá

Passamos pelo portal...

Portal de entrada do Parque Estadual do Guartelá

... e pegamos uma estrada de terra bem conservada.

Estrada de acesso ao Parque Estadual do Guartelá

Infelizmente, o horário de funcionamento do Parque Estadual do Guartelá é de:
Quarta a Domingos e Feriados das 8:00 às 19:00h.

Placa da entrada e horário de funcionamento do Parque Estadual do Guartelá

Como chegamos na segunda, encontramos a porteira fechada e cadeada.

Porteira da entrada do parque

Ainda tentamos avistar alguma coisa, mas percebemos que de fato, não conseguiríamos ver o cânion.

Vista panoramica da região

Casa de moradores perto do parque do guartelá

Voltamos em silêncio e seguimos rumo à Tibagi, chegamos por volta de 14:30 com muita fome...

Placa na entrada de Tibagi-PR

...mas, todos os restaurantes estavam com as cadeiras para cima.

Uma das ruas de Tibagi-PR

Nem tudo estava perdido!
Achamos um mirante no final da cidade.

Mirante de Tibagi-PR

Vista lateral do Mirante de Tibagi-PR

Ele observando o rio que passa em Tibagi-PR

Saimos com um sentimento de frustação... mas vamos em frente...
Seguimos um pedaço da "Rota dos Troupeiros".

Monumento em homenagem a Rota dos Troupeiros

Subimos a Serra do Piquini rumo á Reserva

Subindo a Serra do Piquini

... entre subidas e descidas, avistamos muitas plantações de milho e soja. A pista excelente,

Foto da estrada da Serra do Piquini

...porém nos deparamos com um acidente na pista, acreditamos que seja devido à forte chuva que caiu durante a tarde.
Não tiramos fotos em respeito às vitimas.

Caminhão com a carga torta de madeira

Continuamos a subida, e a chuva continuou, porém, como estávamos muito alto, a neblina foi o nosso pior inimigo,

A estrada com muita chuva

mas o cenário era surpreendente, a floresta de pinheiros, úmida, verde e coberta pela neblina, nos sentimos bem pertinho do céu.

Chovendo no horizonte

As estradas molhadas saíam muita fumaça...

A estrada molhada saindo fumaça

Passamos por Reserva e seguimos rumo à Candido Abreu, ainda debaixo de uma densa neblina,

Pórtico de Candido Abreu, o portal da cidade

a Serra do Piquini é realmente alta e extensa... os campos estão cobertos pela plantação que se perde de vista.
Avistamos uma rampa de vôo livre, mas devido a chuva não conseguimos registrar.

Plantações da Serra do Piquini

Manuel Ribas Na serra ainda encontramos uma olaria, plantações de milho, uma ilha em um açude, pequenas casas e grandes extensões de terras cultivadas.
Como a chuva não dava tréguas decidimos parar em um posto de gasolina para tomar uma cerveja.

A estrada molhada saindo fumaça

Depois de duas cervejas, a chuva diminuiu e partimos para nosso destino final do dia, Pitanga.
Apesar de muita água, não foi difícil encontrar acomodações, a Ana foi a primeira a avistar o Hotel Central que por sorte era um local familiar e com um preço excelente (60,00).

Eles na porta do Hotel Central em Pitanga-PR

A construção é típica da região , baixa e em madeira, desde o piso até o teto. Acomodações simples , mas limpas e seguras.

Ela no quarto do hotel

... uma pequena gruta.

Pequena gruta de horações

O hotel foi fundado na década de 60 do século XX, pelo Sr. Rubens e a Sra. Nina quando a região ainda era só mata e o transporte era feito a cavalo, como nos contou o Sr. Rubens.
Hoje o hotel é dirigido por um dos filhos do casal , o Sr. José que nos flou sobre Foz do Iguaçu e sobre alguns atrativos do Paraná.
Dona Nina é da Região de Lage no RS e conhece a Serra do Rio Rastro, outro local que esta no nosso roteiro.

Ela e a proprietária do hotel

A noite, demos uma volta pela cidade para jantamos.

Ele a noite em uma das esquinas de Pitanga-PR

Encontramos um restaurante próximo ao hotel (20,50), a comida era caseira e gostosa, nada de especial, mas a Ana pediu um ovo frito que foi a atração da noite. Segundo ela, o ovo tinha um formato de um peixe... bem, quem encontrar semelhança ganha um peixe...srsrs

Prato com arroz, feijão, alface e ovo frito

... fomos para o hotel.


Pagina Anterior  Proxima Pagina

COMENTÁRIOS

Linhas: 0